Realidade virtual: que futuro econômico?

Realidade virtual: que futuro econômico?

resumo

Muitos estudos de mercado lançados por empresas de pesquisa como a Juniper Research ou Goldman Sachs indicaram que a venda de fones de ouvido de realidade virtual pode chegar a US $ 50 bilhões em 2021. Isso seria um grande avanço econômico, quando sabemos que atualmente o número de vendas de capacetes gira em torno de 5 bilhões de dólares por ano. Estudos mostram até que o cenário mais pessimista seria de US $ 23 bilhões ao mesmo tempo, o que é muito animador.



A corrida pela realidade virtual começou

A Goldman Sachs anuncia em seu estudo, um crescimento constante ano a ano com um certo equilíbrio entre as receitas do software e do hardware. Segundo os especialistas, este aumento maciço deve-se aos auscultadores de realidade virtual nos smartphones (tipo Samsung Gear VR), e à queda nos preços dos auscultadores de realidade virtual nos PCs e consolas (Oculus Rift, HTC Vive e PlayStation VR).

Realidade virtual: que futuro econômico?

Depois de um certo ceticismo, os grandes grupos decidiram embarcar no mundo da realidade virtual com a chegada da Samsung, Sony, Facebook ou mesmo da Apple ao mercado. Além disso, a gigante americana Google embarcou recentemente na criação de um novo headset, que será diferente do clássico Cardboard, que será lançado em breve ao mesmo tempo que o novo smartphone da marca: o Pixel. Além disso, as start-ups que embarcaram na realidade virtual e aumentada evoluíram muito e conseguiram, só no primeiro semestre de 2016, ultrapassar (em mais de 85%) o somatório do investimento de todo o ano de 2015 no setor.



Realidade virtual: que futuro econômico?

Mesmo que a compra de um fone de ouvido de realidade virtual ainda seja bastante cara, o preço tende a cair e será cada vez mais acessível aos indivíduos com o tempo. Em particular, com a chegada do Samsung Gear VR, ou ainda mais recentemente o do PlayStation VR que foi lançado ao preço de 400 euros, quando os seus antecessores estão disponíveis a preços de 700-900 euros para o Oculus Rift e o HTC Vive. Além disso, estes capacetes também requerem um PC de alto nível e, portanto, de última geração, a mais de 1000 euros.

Videogames conduzindo a realidade virtual

Os videogames são realmente a ponta de lança dessa nova tecnologia, sabendo que quantitativamente falando, os videogames estão mais representados no mundo da RV do que em outras áreas. Mesmo que a presença do Facebook entre outros, mostra que essa tecnologia não será destinada a videogames.

Realidade virtual: que futuro econômico?

Além dos videogames, estudos mostram que os setores de imóveis, distribuição e saúde estão na pole position para receber as próximas novidades em RV. Espera-se que esses três setores isoladamente gerem US $ 9,3 bilhões em receitas acumuladas até 2025 (respectivamente US $ 5,1 bilhões para saúde, US $ 2,6 bilhões para imóveis e US $ 1,6 bilhão para distribuição), ainda de acordo com o Goldman Sachs. O relatório do Goldman Sachs indica ainda que em 2025, seria possível ver o giro de hardware relacionado à realidade virtual e realidade aumentada, ultrapassar o da televisão em circunstâncias favoráveis ​​em US $ 110 bilhões. Contra 99 bilhões de dólares da televisão.


A França pode desempenhar um papel de liderança na realidade virtual

A França tem a sorte de ter uma ligação estreita entre a indústria de videogames (que é muito forte na realidade virtual) e a de animação, permitindo que a França crie talentos rapidamente no campo da realidade. por meio de escolas de treinamento como Gobelins, EMCA, MOPA e muitos mais.


Realidade virtual: que futuro econômico?

A França tem a chance de jogar no desenvolvimento desta nova tecnologia para se impor aos olhos do mundo, para isso, os jogadores nacionais em realidade virtual se uniram em uma associação: AFRV (Associação Francesa de Realidade Virtual) que foi fundada por pesquisadores e executivos da indústria. Além disso, em maio de 2016, uma nova associação chamada Uni-VR é responsável por unir todos os atores franceses em realidade virtual ligada ao setor audiovisual (Televisão, Publicidade e Cinema).


Realidade virtual: que futuro econômico?

A realidade virtual tem, portanto, a promessa de um futuro brilhante, principalmente na França, com o pool de talentos disponíveis lá. Seja na França ou em qualquer outro lugar, esta tecnologia continuará a se desenvolver ano após ano, atingindo os padrões de outras tecnologias em poucos anos. Enquanto isso, falhas como o preço da tecnologia e “enjôo” precisam ser corrigidas antes que a realidade virtual chegue aos números na televisão e em outros sistemas.



Adicione um comentário do Realidade virtual: que futuro econômico?
Comentário enviado com sucesso! Vamos analisá-lo nas próximas horas.

End of content

No more pages to load